Statoil consolida sua posição em Carcará

27 de Outubro de 2017 17:06 CEST

Statoil Brasil Óleo e Gás Ltda., subsidiária da Statoil ASA (OSE:STL, NYSE:STO), ExxonMobil Exploração Brasil Ltda., subsidiária da ExxonMobil Corporation (NYSE:XOM), e PETROGAL BRASIL, S.A., subsidiária da Galp (NYSE:GALP.LS), apresentaram a maior oferta para o contrato de partilha da área Norte de Carcará, na Segunda Rodada de Partilha de Produção do pré-sal no Brasil, ocorrida em 27 de outubro.  

carcara-north

O consórcio, composto pela Statoil (operadora, 40%), ExxonMobil (40%) e Galp (20%), apresentou a melhor proposta (67,12% de excedente em óleo) para o bloco da área Norte de Carcará na bacia de Santos. O bônus de assinatura pré-fixado a ser pago pelo consórcio licitante é de BRL 3 bilhões, aproximadamente USD 910 milhões*. A parcela que cabe à Statoil é de USD 364 milhões*. 

Statoil, ExxonMobil e Galp acordaram a sequência de transações abaixo relativas ao bloco adjacente BM-S-8, para alinhar as participações nos dois blocos que, juntos, compreendem a descoberta de petróleo de Carcará. O valor total potencial a ser recebido pela Statoil nessas transações é de aproximadamente USD 1,55 bilhão e, na sequência da Rodada, o potencial valor líquido para a Statoil será de aproximadamente USD 1,19 bilhão. 

Primeiramente, a Statoil concordou em vender 33% de sua participação de 66% no bloco BM-S-8 para a ExxonMobil por um valor potencial total de aproximadamente USD 1,3 bilhão, incluindo um pagamento inicial de cerca de USD 800 milhões e um pagamento contingente de cerca de USD 500 milhões.  

Além disso, com o futuro fechamento de sua aquisição dos 10% de participação no bloco BM-S-8 da Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP), a Statoil acordou em vender 3,5% para a ExxonMobil e 3% para a Galp, pelo valor total de aproximadamente USD 250 milhões, compreendendo um pagamento inicial de cerca de USD 155 milhões e um pagamento contingente de cerca de USD 95 milhões. 

Como resultado, tanto a Statoil como a ExxonMobil terão 36,5% de participação no BM-S-8 e 40% na área Norte de Carcará. A Galp terá 17% de participação no BM-S-8 e 20% no Norte de Carcará. 

Os parceiros na área Norte de Carcará também acordaram que a Statoil será a operadora do campo unitizado na fase de desenvolvimento, sujeito às aprovações governamentais.  

 

“Estas transações fortalecem ainda mais a presença da Statoil na prolífica área do pré-sal brasileiro e contribuem para criar uma parceria forte e alinhada nos dois blocos de Carcará. Em conjunto, isso resulta em um avanço significativo da nossa estratégia no Brasil, um país chave para a Statoil. Desenvolver ativos de primeira linha como Carcará, como operadora, é uma boa combinação com nossas competências e capacidades”, disse o presidente da Statoil, Eldar Sætre.   

CEO Eldar Sætre
Presidente da Statoil, Eldar Sætre

“Será uma grande satisfação trabalhar juntamente com nossos parceiros, as autoridades brasileiras e a Pré-sal Petróleo S.A. em um processo de unitização no tempo oportuno, que viabilize nossos planos de iniciar a produção de petróleo em Carcará em meados da década de 2020. O desenvolvimento desta descoberta gerará empregos, crescimento econômico e receitas governamentais”, afirmou o presidente da Statoil Brasil, Anders Opedal.  

Anders Opedal
Presidente da Statoil Brasil, Anders Opedal

A conclusão das transações com a ExxonMobil e a Galp estão sujeitas às condições habituais, incluindo a aprovação dos parceiros e das autoridades governamentais.  

  BM-S-8 (antes da transação com ExxonMobil)  BM-S-8 (depois da transação com ExxonMobil)  BM-S-8 (depois do fechamento da transação com QGEP)  BM-S-8 (depois das futuras transações com ExxonMobil e Galp)  Norte de Carcará  
Statoil 66% (operadora) 33% (operadora) 43% (operadora) 36.5% (operadora) 40% (operadora)
ExxonMobil - 33% 33% 36.5% 40%
Petrogal 14% 14% 14% 17% 20%
QGEP 10%* 10%* - - -
Barra Energia 10% 10% 10% 10% -

* Baseado na taxa de conversão da Bloomberg de 27 Outubro2017 (BRL/USA = 0.30327)